Tributação sobre multinacionais inibe investimento no exterior, diz indústria

Folha de São Paulo
26/11/2019

Brasil fica para trás entre emergentes, segundo confederação

Fronteiras Entre os principais países emergentes, o Brasil ficou para trás no processo de investimentos no exterior nos últimos dois anos, segundo levantamento realizado pela CNI (Confederação Nacional da Indústria) para questionar a tributaçãobrasileira dos lucros de multinacionais do país no exterior. Para defender menos impostos no processo, a entidade argumenta que as múltis brasileiras são, em média, 30% mais produtivas que as grandes companhias nacionais.

Leão Segundo a CNI, uma multinacional brasileira localizada nos Estados Unidos paga 21% de imposto de renda de pessoa jurídica no país, além do diferencial de 34%, ou seja, mais 13 pontos percentuais no Brasil, a depender do setor. Multinacionais do México ou da China, por exemplo, pagam só 21% nos EUA.

Câmbio De acordo com Fabrízio Panzini, gerente de negociações internacionais da entidade, a alta do dólar pode afetar o processo, mas não é tão determinante.

Reforma O decisivo é o fato de o Brasil ser a única economia relevante que desestimula investimentos fora, tributando no exterior o lucro de suas empresas”, diz Panzini.

 

AESBE - Associação Brasileira das Empresas Estaduais de Saneamento

SCS - Quadra 01 - Bloco H - Edifício Morro Vermelho - 16º andar - CEP: 70399-900 - Brasília-DF - Tel/Fax.: 55 61 3022-9600

Fazer login com suas credenciais

Esqueceu sua senha?