Saneamento é direito de todos e dever do estado

O maior desafio do saneamento no Brasil é a universalização e a melhora na qualidade dos serviços. O caminho da privatização é uma medida que pode não resolver o problema e se mostrar equivocada segundo mostram diversos estudos internacionais. Reportagem do jornal britânico BBC aponta que centenas de cidades em todo o mundo migraram para o modelo privatizado e estão realizando o caminho o inverso – devolver a gestão do tratamento e fornecimento de água e esgoto às mãos públicas.

A veredito foi apresentado por onze organizações europeias que registraram 267 casos de remunicipalização, ou reestatização, de sistemas de água e esgoto nos últimos 10 anos. Para Satoko Kishimoto, coordenadora para políticas públicas alternativas no Instituto Transnacional (TNI), a reversão vem sendo impulsionada por um leque de problemas reincidentes, entre eles serviços inflacionados, ineficientes e com investimentos insuficientes. “Em geral, observamos que as cidades estão voltando atrás porque constatam que as privatizações acarretam tarifas muito altas, não cumprem promessas feitas inicialmente e operam com falta de transparência, entre uma série de problemas que vimos caso a caso”, explicou à reportagem da BBC. Entre as cidades que desistiram das privatizações estão Berlim, Paris, Budapeste, Buenos Aires, Maputo (Moçambique) e La Paz.

O estudo apontou ainda que cerca de 90% dos sistemas de água mundiais são gerenciados por empresas públicas. Satoko pontua que é uma “missão impossível” chegar a números absolutos para comparar as remunicipalizações, de um lado, e as privatizações, de outro porque elas ocorrem em moldes diferentes em cada país. Contudo, o que ficou claro é que os governos parecem desconhecer os riscos que a privatização do fornecimento de saneamento pode trazer e as dificuldades de se reverter o processo. “O caminho de volta é muito mais difícil e oneroso”, alerta, ressaltando que, nos muitos casos que o modelo fracassou, é a população que paga o preço.

A população brasileira precisa ficar atenta ao Projeto de Lei nº 3261/2019. Considerado o novo Marco Legal do Saneamento, o PL está em tramitação em Comissão Especial na Câmara dos Deputados e vai alterar a relação dos brasileiros com as empresas que prestam serviços de água e esgoto. O relator deputado Geninho Zuliani (DEM-SP), dentre outros pontos trazidos em seu relatório, defende a extinção dos Contratos de Programa, medida que pode inviabilizar a atuação das empresas estatais de saneamento passando a tarefa para a iniciativa privada.

A Associação Brasileira das Empresas Estaduais de Saneamento (Aesbe) entende que a simples privatização do setor não resolverá o problema do saneamento no país. As empresas públicas e privadas podem trabalhar em conjunto por meio de Parcerias Público Privadas (PPPs), modelo que já apresenta bons resultados em diversos estados. A Aesbe segue comprometida na defesa desse modelo que melhor atende a sociedade participando ativamente das discussões acerca do PL nº 3261/2019 no Congresso Nacional. A expectativa é que o texto seja votado no Plenário da Câmara dos Deputados ainda no mês de Novembro. A mobilização da população brasileira é fundamental para exigir dos parlamentares que defendam os interesses dos brasileiros.

Compartilhe

Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on telegram

Confira também nossas publicações

Veja todas nossas
edições anteriores