Comissão começa a discutir mudanças na lei de saneamento na próxima terça

Relator pretende deixar a proposta pronta para votação no Plenário da Câmara na segunda quinzena de outubro

Agência Câmara Notícias

27/08/2019 – 17:52 

O cronograma de trabalho do deputado Geninho Zuliani foi aprovado nesta terça-feira (27). Foto: Luis Macedo/Câmara dos Deputados

A comissão especial que analisa mudanças no marco legal do saneamento aprovou, nesta terça-feira (27), o cronograma de trabalho apresentado pelo relator, deputado Geninho Zuliani (DEM-SP). Zuliani sugeriu a realização de nove de audiências públicas para discutir o projeto de lei PL 3261/19, que atualiza a Lei do Saneamento (Lei 11.445/07).

No primeiro debate, marcado para a próxima terça-feira (3), às 14 horas, os deputados vão analisar a atuação das empresas estatais no desenvolvimento do saneamento no Brasil. Para isso, serão convidados representantes da Associação Brasileira das Empresas Estaduais de Saneamento (Aesbe); da Associação Nacional dos Serviços Municipais de Saneamento (Assemae); da Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental (Abes); da Federação Nacional dos Urbanitários (FNU); e da Associação Brasileira das Agências de Regulação (Abar).

Outros debates

O relator indicou também o tema da segunda audiência pública: a atuação municipal na implantação e regulação do saneamento no Brasil. Para esse debate, serão convidados a Frente Nacional dos Prefeitos, a Associação Brasileira de Municípios, a Confederação Nacional de Municípios, a Federação Interestadual de Sindicatos dos Engenheiros e o Observatório Nacional dos Direitos à Água e ao Saneamento (Ondas).

Requerimentos aprovados

A comissão também aprovou sete requerimentos, entre eles o que solicita visitas técnicas da comissão a estados onde a gestão privada dos serviços de saneamento tem dado resultados positivos – segundo o deputado Joseildo Ramos (PT-BA), caso das cidades de Uruguaiana (RS), Manaus (AM) e Palmas (TO). “A proposta é realizar seminários combinados com essas visitas.

Já o deputado Afonso Florence (PT-BA) afirmou que a execução desses serviços pelas empresas não é o mais complicado, e sim a gestação dessas parcerias. Por isso, sugeriu que sejam ouvidos, por exemplo, agentes financeiros e agentes públicos que apresentem a atual lei e expliquem como funcionam as parcerias público-privadas no setor do saneamento.

“Quanto tempo leva a gestação de um empréstimo, seja por uma operadora estadual ou por uma privada? No mínimo dois anos antes de contratar! Precisamos saber como se dá essa trajetória, desde o início da gestação de um acordo de empréstimo até a autorização de uma licitação”, disse.

Cronograma

Geninho Zuliani pretende deixar a proposta de novo marco legal do saneamento básico pronta para votação no Plenário da Câmara na segunda quinzena de outubro. Há nove propostas tramitando em conjunto sobre o tema, inclusive um projeto de lei (PL 4132/19) enviado pelo governo Bolsonaro no início do mês.

A atualização da Lei do Saneamento tem o objetivo de garantir o cumprimento das metas de universalização do setor até 2033. Na semana passada, o presidente do colegiado, deputado Evair Vieira de Melo (PP-ES), argumentou que o país ainda tem 35 milhões de pessoas sem acesso à água potável e 110 milhões sem tratamento adequado de esgoto. Para reverter esse quadro, seriam necessários R$ 600 bilhões de investimento nos próximos anos.

 

Compartilhe

Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on telegram

Confira também nossas publicações

Veja todas nossas
edições anteriores