Aesbe reforça mais uma vez o risco de desestruturação do Saneamento com o artigo 10C da MP 868, em reunião no MDR

Por Rhayana Araújo – Assessoria de Comunicação da Aesbe

Na manhã desta quarta-feira (30) o presidente da Associação Brasileira das Empresas Estaduais de Saneamento (Aesbe), Roberto Tavares, reforçou, mais uma vez, que a entidade não concorda com o artigo 10C da Medida Provisória nº 868, que substituiu a MP 844, e que altera o Marco Legal do Saneamento, durante reunião com o secretário Nacional de Saneamento Ambiental, Jônathas de Castro, que recebeu a associação nesta quarta para ouvir as sugestões de alterações da referida MP.

Da esquerda para a direita: Pedro Capeluppi, Cintia Leal Marinho, Diogo Mac Cord, Ubiratan Pereira, Roberto Tavares, Jônathas de Castro, Marco Antônio Lopes e Marcos Thadeu Abicalil.

Também participaram da reunião o secretário executivo da Aesbe, Ubiratan Pereira; o chefe de Gabinete da Secretaria Nacional de Saneamento Ambiental, Geraldo Melo; a coordenadora geral de Saneamento do Ministério da Economia, Cintia Leal Marinho; o secretário de Desenvolvimento da Infraestrutura do Ministério da Economia, Diogo Mac Cord; o assessor especial do ministro de Desenvolvimento Regional, Marco Antônio Lopes; o diretor de Programa do Ministério da Economia, Pedro Capeluppi; e, representando o Banco Mundial, Marcos Thadeu Abicalil.

O presidente da Aesbe, Roberto Tavares, reforçou que a associação defende a modernização do Marco Legal do Saneamento, porém, não da forma como está escrito o texto do artigo 10C (antigo 10A), que desestrutura totalmente o setor de saneamento.  Por isso, a entidade defende que a mudança do texto da MP deve ser urgente, sob pena de gerar um impasse no Congresso Nacional. “Nós reforçamos que a Aesbe não é contra o setor privado no saneamento, inclusive, nós defendemos que a Política Pública direcione uma maior participação do setor privado para alcançarmos à universalização. Mas, não da forma como proposto no artigo 10C, que traz essa prestação de serviço de forma pulverizada e, pior, separando municípios ricos de pobres”, ressaltou.

A reunião ocorreu nesta quarta-feira (30), na Secretaria Nacional de Saneamento Ambiental

Em resumo, o artigo questionado obriga os municípios a consultarem primeiro o setor privado, antes de prorrogar contratos de concessão com as companhias de saneamento. Tavares esclareceu que os municípios já têm o direito de pedir propostas, de licitar e de não renovar seus contratos. Porém, da forma que o governo exige na MP, o saneamento brasileiro pode ficar desestruturado. “Com essa regra, os municípios menores ficarão em desvantagem, pois quando o município que não for rentável fizer a consulta, possivelmente, ele não terá o interesse da iniciativa privada e obrigatoriamente ficará com a empresa estadual. Quando for um município rentável, obviamente, o setor privado terá interesse e isso irá desestruturar o setor, pois afetará o subsídio cruzado e fará com que os municípios mais pobres tenham que arcar com uma tarifa maior”, avaliou.

Roberto Tavares, que também é presidente da Companhia Pernambucana de Saneamento (Compesa), deu o exemplo de como ocorreria, na prática, no Estado de Pernambuco. “Lá nós teríamos menos de 25 municípios que o setor privado iria se interessar. E não tenho dúvidas que iria alavancar os investimentos nesses locais. Mas, e os outros 160 municípios que vão ficar sem condições? Não é nosso interesse resolver a situação só de alguns municípios e deixar a maioria da população desassistida”, disse.

Esta é a segunda reunião do ano com o secretário Nacional de Saneamento Ambiental, Jônathas de Castro, em que a Aesbe participa. No último dia 15, a entidade – representada pelo secretário executivo, Ubiratan Pereira, também teve a oportunidade de falar sobre a MP do Saneamento. Na ocasião, a Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental (Abes), a Associação Nacional dos Serviços Municipais de Saneamento (Assemae), a Associação Brasileira de Agências de Regulação (Abar) e os deputados federais João Paulo Papa (MDB/SP), que encerra seu mandato nesta quinta-feira (31), e Samuel Moreira (PSDB/SP), reeleito no último pleito, endossaram o coro a respeito do artigo 10C.

A Aesbe está acompanhando as ações do Governo Federal em relação às mudanças propostas na Medida Provisória e espera que os pontos apresentados tantas vezes pelas principais associações do setor de saneamento sejam levados em consideração.

Compartilhe

Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on telegram

Confira também nossas publicações

Veja todas nossas
edições anteriores