FMI vê papel central do investimento público na transição para mundo pós-covid

Valor Econômico
05/10/2020

Por Sergio Lamucci

Para a instituição, o investimento agora é urgente em setores fundamentais para controlar a pandemia como saúde, escolas, construções seguras, transportes seguros e infraestrutura digital

Aumentar o investimento público em países avançados e emergentes pode ajudar a atividade econômica a reviver depois do colapso mais forte e mais profundo da história contemporânea, diz o Fundo Monetário Internacional (FMI).

Em relatório divulgado nesta segunda-feira, o Fundo nota que os governos precisam preparar as economias para a transição para o mundo pós-covid-19, incluindo colaborando para as pessoas voltarem ao trabalho.

 “O investimento público tem um papel central a desempenhar”, diz o Fundo, no capítulo 2 do Monitor Fiscal, a ser divulgado na íntegra na semana que vem, no encontro anual da instituição e do Banco Mundial, que vai ocorrer virtualmente, devido à pandemia.

Segundo o FMI, o investimento público pode criar milhões de empregos diretamente no curto prazo e outros milhões indiretamente, ao longo de um período mais prolongado.

Nas estimativas do Fundo, elevar o investimento público em 1% do Produto Interno Bruto (PIB) pode fortalecer a confiança na recuperação e impulsionar o PIB em 2,7%, o investimento privado em 10% e o emprego em 1,2%, se os gastos de capital forem de alta qualidade. Além disso, é necessário que a carga de dívida pública e privada não enfraqueça a resposta do setor privado a esse estímulo.

Mesmo antes da pandemia, o investimento global esteve fraco por uma década, apesar de problemas em estradas e pontes em algumas economias avançadas e da necessidade maciça de infaestrutura em áreas como transportes, água potável e saneamento na maior parte dos mercados emergentes e em desenvolvimento, diz o FMI.

Para a instituição, o investimento agora é urgente em setores fundamentais para controlar a pandemia como saúde, escolas, construções seguras, transportes seguros e infraestrutura digital.

O FMI também destaca que os juros globais em níveis baixos indicam que é o tempo certo para investir. Há muita poupança, o setor privado está em compasso de espera e muitas pessoas estão desempregadas e à disposição para trabalharem nos empregos criados por meio do investimento público.

Num cenário em que o investimento do setor privado está deprimido, devido à incerteza aguda em relação ao que vai ocorrer com a pandemia e com o cenário econômico, é o momento de o setor público fazer esses gastos de capital em projetos prioritários e de alta qualidade, avalia o FMI. Isso é possível ser feito tomando recursos emprestados a baixo custo.

Na estimativa do Fundo, o investimento público tem o potencial de gerar diretamente de dois a oito empregos para cada milhão de dólares gasto em infraestrutura tradicional. No caso de cada milhão de dólares destinado a pesquisa em desenvolvimento, eletricidade “verde” e prédios eficientes, seria possível gerar de 5 a 14 vagas.

Para alguns países, no entanto, levantar recursos para investir será difícil porque as condições financeiras estão apertadas, observa o FMI. Mesmo assim, um gradual aumento do investimento público por empréstimos pode compensar, desde que os riscos associados ao refinanciamento da dívida e os juros não aumentem muito e os governos escolham os projetos com inteligência, diz o relatório.

“Os países podem também ter quer realocar os gastos ou levantar receitas adicionais para investimentos prioritários.” O Brasil não é citado no relatório.

 

AESBE - Associação Brasileira das Empresas Estaduais de Saneamento

SCS - Quadra 01 - Bloco H - Edifício Morro Vermelho - 16º andar - CEP: 70399-900 - Brasília-DF - Tel/Fax.: 55 61 3022-9600

Fazer login com suas credenciais

Esqueceu sua senha?