Água se torna produto financeiro e inquieta a ONU

Valor Econômico
14/12/2020

Novo contrato futuro de água permite que compradores e vendedores negociem um preço fixo pela entrega de uma quantidade de água em uma data futura

A água tornou-se um produto financeiro na Califórnia, se juntando a ouro, petróleo e outras commodities negociadas na bolsa, provocando reação de um relator especial das Nações Unidas sobre especulação com o produto considerado um direito humano.

No dia 7 deste mês, a bolsa de Chicago e a Nasdaq lançaram os primeiros contratos futuros de água da Califórnia. O objetivo é de fornecer aos produtores agrícolas, comerciantes e municípios a possibilidade de fazer hedge sobre a disponibilidade futura de água nesse que é o maior mercado agrícola dos EUA.

Ou seja, os contratos futuros ajudariam usuários de água a gerenciar os riscos e melhor equilibrar as demandas concorrentes de abastecimento e demanda em meio à incerteza que secas severas e inundações trazem para a disponibilidade do produto.

O novo contrato futuro de água permite que compradores e vendedores negociem um preço fixo pela entrega de uma quantidade de água em uma data futura. A criação dos contratos foi anunciada em setembro, em meio aos incêndios na costa oeste dos EUA e com a Califórnia sofrendo seca pelo oitavo ano.

No entanto, um especialista da ONU em água e direitos humanos, Pedro Arrojo-Agudo, divulgou um comunicado distribuído pelo Alto Comissariado de Direitos Humanos da ONU, manifestando preocupação de que isso poderá atrair a especulação de financistas que passariam a negociar água como outras commodities.

“Não dá para valorizar a água como se faz com outras commodities comercializadas”, disse Arrojo-Agudo. “A água pertence a todos e é um bem público. Está intimamente ligada a todas as nossas vidas e meios de subsistência, e é um componente essencial para a saúde pública.”

Para o especialista, a situação é ainda mais inquietante porque a água já está sob extrema ameaça num cenário de população crescente, demandas maiores e grave poluição da agricultura e da indústria de mineração, além do agravamento do impacto das mudanças climáticas. Para ele, assim como fazendeiros, fábricas e empresas de serviços públicos em busca de preços fixos, esse mercado de futuros também poderia atrair especuladores como fundos de hedge e bancos para apostar nos preços, repetindo a bolha especulativa do mercado de alimentos em 2008.

“Neste contexto, o risco é que os grandes players agrícolas e industriais e as grandes concessionárias sejam os que podem comprar, marginalizar e impactar o setor vulnerável da economia como os pequenos agricultores”, disse Arrojo-Agudo.

Para ele, a notícia de que a água será negociada no mercado de futuros de Wall Street mostra que seu valor, como direito humano básico, “está agora sob ameaça”.

O direito humano à água potável foi reconhecido pela primeira vez pela Assembleia Geral da ONU e pelo Conselho de Direitos Humanos em 2010.

Ao mesmo tempo, o banco suíço UBS sugere investimentos de longo prazo em água, que se torna cada vez mais escassa em diferentes partes do mundo. Constata que muitos países enfrentam crescentes desafios de escassez, enquanto outros têm abundância de água.

O UBS menciona a projeção de que 1,9 bilhão de pessoas globalmente em 2010 já vivia sob ameaça de falta de água, e o número deve aumentar para algo entre 2,7 bilhões e 3,2 bilhões até 2050.

Para o banco suíço, a necessidade urgente de otimizar a oferta de água representa “um caso promissor de investimento” na cadeia inteira de valor envolvendo o produto.

Países como China e Índia enfrentam enormes problemas de água em algumas regiões. A Africa do Sul enfrentou uma escassez em 2017-18 que levou o governo a pedir à população para limitar o uso diário de água a 50 litros.

A agricultura representa 69% da demanda global de água fresca. Cientistas suíços compararam dietas vegetarianas com dietas que incluem consumo de carne. Calcularam que são necessários 15 mil litros de água para produção de um quilo de carne. Ou seja, a “fatura pessoal de água’’ passa por uma dieta diferente no futuro.

O UBS calcula que o mercado de água globalmente alcança US$ 655 bilhões, incluindo equipamentos para exploração, distribuição e tratamento.

 

AESBE - Associação Brasileira das Empresas Estaduais de Saneamento

SCS - Quadra 01 - Bloco H - Edifício Morro Vermelho - 16º andar - CEP: 70399-900 - Brasília-DF - Tel/Fax.: 55 61 3022-9600

Fazer login com suas credenciais

Esqueceu sua senha?