A PEC do investimento impositivo

Folha de S. Paulo

Por Nelson Barbosa
11/10/2019

Governo pode investir mais e continuar a ajustar seu gasto corrente

Volto à política fiscal para analisar a relação entre dívida pública e o efeito do investimento do governo na economia.

Relembrando, sou favorável à flexibilização do teto de gastos para aumentar o investimento público.

Na coluna anterior respondi a três críticas usuais à minha proposta, mas faltou comentar o principal: quando a dívida do governo é alta (medida em percentual do PIB), qualquer aumento de gasto pode ser percebido como abandono do equilíbrio fiscal, com efeitos negativos e imediatos sobre as expectativas do mercado (juros e câmbio).

Minha resposta ao ponto acima é simples: flexibilizar o teto de gasto para aumentar investimento não implica abandonar o ajuste fiscal.

O governo pode investir mais e continuar a ajustar seu gasto corrente, sobretudo com a folha de pagamentos dos servidores, que é o segundo maior gasto primário da União, atrás da Previdência.

O governo também pode preservar ou até aumentar seu gasto com educação, ciência e tecnologia, ao mesmo tempo em que reduz desonerações tributárias e recupera suas receitas primárias.

Nos dois exemplos acima o resultado primário poderia ser o mesmo, com redução de gasto corrente ou de “gasto tributário” compensando o aumento do gasto de capital e, portanto, sem efeito sobre a dívida pública.

Mas e se o aumento do investimento for financiado por mais dívida? Mesmo assim a iniciativa se justifica pelo simples fato de que, desde 2016, o investimento do Estado brasileiro não é suficiente para repor a depreciação do capital público.

Traduzindo do economês, o investimento do governo não é suficiente para manter as estradas, as escolas, os hospitais, o saneamento básico e outros ativos existentes, e isso reduz o potencial de crescimento da economia a cada ano.

Um programa de recuperação do investimento público focado na conclusão de obras paradas e manutenção dos ativos existentes poderia aumentar o crescimento da economia mais rapidamente, com impacto mínimo sobre câmbio e juros, pois ainda existem bastante recursos ociosos na economia.

E para provar que o problema não é o estímulo de demanda em si, mas sim a obsessão da atual equipe econômica em manter o “teto Temer”, relembro que já há duas iniciativas de aumento de gasto em curso por parte do governo.

Primeira: a nova liberação do FGTS, que constitui um “impulso parafiscal” ao consumo.

O impacto sobre a dívida pública será zero, mas o impacto sobre a demanda e os preços será similar ao que aconteceria se o governo investisse mais no curto prazo.

Segunda: a transferência de aproximadamente R$ 21 bilhões para estados e municípios, depois do leilão dos excedentes de petróleo dos campos cedidos à Petrobras em 2010.

Caso essa operação se concretize, governadores e prefeitos elevarão seus gastos primários em 2020, provavelmente mais em consumo do que em investimento.

Dado que o governo Bolsonaro não tem problema com prefeitos e governadores gastarem mais, sugiro incluir, também, autorização para que alguns de seus ministros possam investir mais, desde que com transparência e prestação de contas.

Uma saída neste sentido é a PEC 131/19, do senador Jaques Wagner, que autoriza a União a investir até 1,5% do PIB “extrateto”, com acompanhamento pelo Congresso.

Essa iniciativa é um exemplo de como fazer oposição sem apostar no quanto pior melhor.

Mas dado que o Ministério da Economia ainda resiste em modificar o teto Temer de gasto, cabe ao Congresso abrir os olhos do Planalto para a oportunidade de aumentar já o investimento.

 

AESBE - Associação Brasileira das Empresas Estaduais de Saneamento

SCS - Quadra 01 - Bloco H - Edifício Morro Vermelho - 16º andar - CEP: 70399-900 - Brasília-DF - Tel/Fax.: 55 61 3022-9600

Fazer login com suas credenciais

Esqueceu sua senha?