Witzel inviabiliza privatização da Cedae

O Globo
19/02/2020

Depois de apoiar modelagem do BNDES, governador defende mudança que destrói a proposta

O governador Wilson Witzel oscila diante da privatização da Cedae. Na campanha, colocou-se contra, talvez em busca de votos das corporações que capturaram a estatal. Ao assumir, pode ser que a realidade irrefutável do descalabro em que se transformou a empresa, com tantos anos de subjugação a esquemas políticos e de outros tipos, o tenha feito começar a defender a privatização. Witzel rendia-se à lógica e, na semana passada, como presidente do Conselho Deliberativo da Região Metropolitana do Rio, deu seu voto, ao lado dos representantes de 15 das 17 prefeituras locais, em favor da execução de um projeto elaborado pelo BNDES para a passagem da estatal ao setor privado.

Venceu-se, enfim, a primeira etapa para que a Região Metropolitana possa apresentar índices de coleta e tratamento de esgoto pelo menos aceitáveis. Para o bem da saúde da população carioca e fluminense e até do turismo. O Rio, segunda capital brasileira, aparece no ranking de saneamento do Instituto Trata Brasil apenas no 51º lugar, enquanto Niterói, do outro lado da Baía, está em 10º, porque concedeu seu serviço de esgoto e água a um grupo privado.

Na segunda-feira, porém, indo contra o modelo desenhado pelo banco — em que a área de atuação da Cedae será dividida em quatro blocos, e a atual empresa continuará com a captação e o tratamento da água — ,Witzel anunciou o que seria uma grande ideia: a Cedae da captação e distribuição também será privatizada. Mais ainda, surgirá uma Cedae II para explorar outro manancial e concorrer com a I.

Numa visão superficial, faz sentido, porque se privatiza tudo de vez. Mas, na vida real, Witzel impõe um grande atraso a todo o plano de privatização. Além de o BNDES precisar ser convencido da eficácia do novo modelo, há um enorme trabalho com a finalidade de se preparar a Cedae para ser privatizada agora.

Não se sabe com segurança, por exemplo, o real tamanho dos passivos escondidos da empresa, os chamados “esqueletos”. Quando se começou a recuperação das contas públicas, no Plano Real, com a inflação baixa, viu-se que o verdadeiro rombo fiscal era bem maior que o registrado. A Cedae tem perfil de uma volumosa caixa-preta: pratica salários 70% acima dos de mercado; paga indenizações trabalhistas milionárias a funcionários, e ainda tem lucros, entre outros mistérios.

Será uma trabalheira que paralisará a montagem dos blocos e impedirá sua licitação. Porque nenhuma empresa privada entrará no negócio sem conhecer o seu fornecedor de água. Já no modelo que Witzel escolheu no Conselho da Região Metropolitana, com os municípios, e engavetou poucos dias depois, as concessionárias privadas poderiam começar a operação nos blocos e a pressionar a Cedae para melhorar a qualidade da água. Witzel, querendo ou não, inviabiliza a privatização da Cedae.

 

 

AESBE - Associação Brasileira das Empresas Estaduais de Saneamento

SCS - Quadra 01 - Bloco H - Edifício Morro Vermelho - 16º andar - CEP: 70399-900 - Brasília-DF - Tel/Fax.: 55 61 3022-9600

Fazer login com suas credenciais

Esqueceu sua senha?