Quarentena pede cuidado com desperdício de comida e gastos com luz e água

Correio Braziliense
25/05/2020

Por Juliana Andrade

Com mais tempo dentro de casa, é preciso ficar atento ao desperdício de alimentos e ao gasto excessivo de água e de luz. Especialistas dão dicas para a população conseguir fazer o uso consciente dos bens naturais

Uma das medidas de combate mais indicadas pelos especialistas contra o novo coronavírus é a permanência em casa sempre que possível. Atividades como trabalho, estudos, exercícios e refeições, que muitas vezes eram feitas em outros lugares, agora se concentram nos lares dos brasilienses. Consequentemente, o volume de alimentos e o consumo de água e energia aumentam e, consequentemente, é necessário ficar atento ao uso consciente desses bens naturais. Especialistas afirmam que pequenas atitudes no dia a dia podem fazer grande diferença, evitando desperdício, ajudando na economia da família e contribuindo com o meio ambiente.

Para a professora Izabel Zaneti, do Centro de Desenvolvimento Sustentável da Universidade de Brasília (UnB), é preciso ficar atento aos hábitos e comportamentos na rotina. “Precisamos nos conscientizar. Estamos em casa, mas não são férias, é um novo momento”, ressalta. Atitudes, que muitas vezes passam despercebidas, contribuem para o aumento de gastos, segundo Izabel. Entre elas, abrir a geladeira várias vezes ao dia, usar vários aparelhos eletrônicos ao mesmo tempo ou deixar equipamentos na tomada. “São cuidados básicos, como apagar as luzes, que a gente acha pouco, mas representa muito”, destaca.  

Para evitar o desperdício de energia, a palavra planejamento ganha destaque. Programar as refeições para tirar os alimentos da geladeira apenas uma vez e retirar aparelhos já carregados das tomadas, além de ficar atento à quantidade de eletrônicos em funcionamento são algumas das dicas da especialista. “A gente não sabe até quando essa quarentena vai durar, então precisamos ter um planejamento sustentável”, diz.

O consumo de água também merece atenção. Durante a pandemia, houve um deslocamento de 10% do gasto em endereços comerciais para endereços residenciais, segundo a Companhia de Saneamento Ambiental do Distrito Federal (Caesb). Uma das alternativas encontradas pelos brasilienses tem sido o reuso do recurso. Essa técnica é uma das práticas sustentáveis da família da advogada Vanessa Tolentino, 39 anos, que mudou de casa há cerca de dois meses. Na nova residência, a família instalou uma cisterna e aquecedores solares.

 “A gente fez questão de ter esses itens, não só pela economia, mas também pela questão ecológica de economizar os nossos recursos naturais. Ainda não sabemos quanto vamos economizar, nos mudamos já em período de isolamento, mas com certeza vai ajudar”, comenta a advogada. A água da chuva reservada na cisterna é usada para lavar a calçada, as áreas e regar o jardim. O aquecedor solar também ajuda na economia de energia, esquentando a água do chuveiro e da piscina, entre outras formas e uso. Apesar das técnicas serem novas na vida de Vanessa, ela garante que o consumo sustentável é uma prática antiga da família. “A gente morava em apartamento e não tinha essa estrutura, mas procurávamos economizar dentro do possível. Reutilizávamos a água da banheira do bebê, por exemplo”, conta. 

O militar da reserva Celso Velasco, 58, também faz o reuso de água. A prática é antiga na casa e gera uma economia de cerca de 50%, segundo o militar. Celso começou enchendo baldes com a água da chuva e reaproveitando o líquido da máquina de lavar. Hoje, ele tem uma cisterna que acumula recursos suficientes para a limpeza de áreas e calçadas. “Toda a água da máquina de lavar é reaproveitada. Tenho cinco cachorros e um canil, e eu preciso lavar tudo. A água usada é a mesma da máquina, além da água da chuva, que também vai para o reservatório”, detalha. Para ele, o reaproveitamento tem ajudado bastante, algo que vale a pena. “A gente gasta muito na higienização da casa, e aqui estamos aproveitando algo que seria jogado fora”, destaca. Além do reuso, algumas atitudes também fazem a diferença. Ao lavar áreas, por exemplo, o ideal é usar baldes no lugar de mangueiras, para ter o controle da quantidade de água. Outra dica é reunir as roupas para fazer menos lavagens na máquina e controlar a abertura da torneira enquanto lava a louça.

Alimentos

O desperdício de alimentos é outro ponto que causa preocupação, independentemente de pandemia. A servidora pública Naiara Luana Mateus, 29, encontrou uma forma de poupar tempo, energia e evitar o desperdício. Cansada de ver comidas sobrarem na geladeira e verduras estragarem, a servidora começou a programar, semanalmente, a alimentação dela e do marido. Ela separa as refeições em marmitas e as congela para consumo durante a semana. “A gente desperdiçava muita comida. Esquecíamos verduras na geladeira e quando lembrávamos já estavam perdidas. Então, começamos a planejar o nosso cardápio”, afirma. De uma só vez, ela cozinha para toda a semana. “Poupamos tempo e dinheiro, pois compramos somente o necessário”, comenta. Durante a quarentena, ela fez um planejamento mais prolongado, comprando mais alimentos que não estragam para evitar muitas idas ao mercado.

Para a professora de biologia Andrea Libano, do Núcleo de Gestão Ambiental do Uniceub, planejar as refeições é fundamental. “Por conta da pandemia, muitos fazem compras maiores para evitar várias idas ao mercado. Mas é bom planejar as refeições. Na compra das frutas, lembrar de comprar produtos em diferentes fases de maturação”, alerta. Ela indica comprar frutas verdes, em estágio de amadurecimento, e frutas mais maduras. Outra dica é procurar formas diferentes de preparo, para aproveitar os produtos ao máximo. “Para folhas, por exemplo, procure aquelas que possam ser consumidas cruas, depois refogada; uma outra porção em uma sopa, por exemplo. Assim, você usa de formas diferente e evita que ela fique muito tempo na geladeira”, orienta. O congelamento dos produtos em pequenas porções também é uma recomendação da bióloga.

Como congelar os alimentos

Vegetais

Use a técnica do branqueamento

  • Lave os vegetais e corte em porções de consumo
  • Ferva os vegetais por dois minutos em uma panela destampada
  • Ao retirar da panela, coloque imediatamente em um bacia com água e gelo, e conserve por três minutos
  • Escorra os vegetais e congele-os em saquinhos ou vasilhas

 

Refeições

  • Sobrou comida do almoço?
  • Separe em pequenas porções e leve imediatamente ao congelador
  • Não deixe na geladeira antes de congelar ou muito tempo em cima da mesa
  • Descongele apenas o que for consumir. Não congele novamente algo que foi descongelado

Fonte: Camila Pedrosa, nutricionista

 

Como conservar as folhagens

Dica 1

  • Retire as folhas
  • Faça a higienização
  • Coloque em um recipiente com papel toalha (intercalando folha e papel)
  • Guarde na geladeira

Dica 2

  • Retire as folhas
  • Faça a higienização
  • Coloque em um recipiente com água
  • Guarde na geladeira
  • Observação: a água deve ser trocada a cada dois dias

Fonte: Camila Pedrosa, nutricionista  

 

AESBE - Associação Brasileira das Empresas Estaduais de Saneamento

SCS - Quadra 01 - Bloco H - Edifício Morro Vermelho - 16º andar - CEP: 70399-900 - Brasília-DF - Tel/Fax.: 55 61 3022-9600

Fazer login com suas credenciais

Esqueceu sua senha?