Estudo mostra que crise climática está sufocando os lagos de todo o mundo

Portal Saneamento Básico
04/06/2021

A queda dos níveis de oxigênio prejudicam a vida selvagem e o abastecimento de água potável, dizem os cientistas.

A crise climática está causando uma queda generalizada nos níveis de oxigênio em lagos de todo o mundo, sufocando a vida selvagem e ameaçando o abastecimento de água potável.

Os níveis decrescentes de oxigênio nos oceanos já haviam sido identificados, mas novas pesquisas mostram que o declínio nos lagos foi entre três e nove vezes mais rápido nos últimos 40 anos. Os cientistas descobriram que os níveis de oxigênio caíram 19% em águas profundas e 5% na superfície.

O aumento das temperaturas impulsionado pelo aquecimento global é a principal causa, pois, a água com maiores temperaturas não se retém tanto oxigênio. Além disso, o aumento do calor do verão deixa a camada superior dos lagos mais quentes e menos densa do que as águas abaixo, o que significa que a mistura é reduzida e o suprimento de oxigênio para as profundezas diminui.

Os níveis de oxigênio aumentaram na superfície de alguns lagos. Mas isso provavelmente se deve às altas temperaturas que impulsionam a proliferação de algas, que também podem produzir toxinas perigosas. Cortar as emissões para enfrentar a crise climática é vital, disseram os cientistas, assim como cortar o uso de fertilizantes agrícolas e poluição de esgoto urbano que também danifica lagos.

“Toda vida complexa depende de oxigênio e, portanto, quando os níveis de oxigênio caem, você realmente diminui o habitat para muitas espécies diferentes.” disse o professor Kevin Rose, do Rensselaer Polytechnic Institute (RPI) dos Estados Unidos, que fez parte da equipe de pesquisa.

“Este estudo prova que o problema é ainda mais grave em águas doces [do que nos oceanos], ameaçando nossos suprimentos de água potável e o delicado equilíbrio que permite que ecossistemas complexos de água doce prosperem”, disse Curt Breneman, reitor de ciências da RPI.

Os habitats de água doce são ricos em peixes, insetos, pássaros e animais e são importantes para alimentação e recreação para os humanos. Mas eles já sofreram grandes danos, com a população média da vida selvagem caindo 84% desde 1970. Além do aquecimento global e da poluição, as causas incluem o uso excessivo de água para a agricultura.

O Estudo

O estudo, publicado na revista Nature, analisou 45.000 perfis de oxigênio dissolvido e temperaturas coletadas em cerca de 400 lagos em todo o mundo. A maioria dos registros começaram por volta de 1980, embora um tenha remontado a 1941.

A maioria dos lagos ficava em zonas temperadas, principalmente na Europa e nos Estados Unidos, mas havia alguns registros de latitudes mais altas, mais próximas dos polos, e de lagos tropicais na África. Em ambos os casos, o oxigênio estava caindo como nos outros lagos.

Em lagos onde os níveis de oxigênio caíram para quase zero, o fósforo pode ser retirado dos sedimentos, fornecendo um nutriente essencial para as bactérias. Eles podem proliferar e produzir o poderoso gás de efeito estufa – metano, gerando ainda mais aquecimento.

Os níveis de oxigênio nas águas superficiais estavam aumentando em cerca de um quinto dos lagos estudados, quase todos sujeitos à poluição. Este é um indicador de aumentos generalizados na proliferação de algas, disse Rose. “Sem dados taxonômicos, não podemos dizer isso definitivamente, mas nada mais que tenhamos conhecimento pode explicar esse padrão.”

As temperaturas globais ainda estão subindo, reduzindo ainda mais os níveis de oxigênio dos lagos. Rose disse que um exemplo positivo foi o lago Oneida, no estado de Nova York, onde uma limpeza levou a uma menor turbidez na água, o que, por sua vez, permitiu uma maior fotossíntese de algas produtoras de oxigênio.

“O novo estudo fornece uma visão global muito necessária do que acontece nos limitados reservatórios de água doce do planeta – sua saúde é uma preocupação primordial”, disse o professor Hans-Otto Poertner, do Alfred-Wegener-Institute em Bremerhaven, Alemanha, que não fazia parte da equipe. Os lagos são isolados e pequenos em comparação com os oceanos, nos quais as correntes globais ainda podem fornecer oxigênio às águas mais profundas, disse ele.

“A mudança climática, junto com a poluição agrícola, ameaça os sistemas de água doce vulneráveis, aumentando a urgência de cortar fortemente as emissões”, disse Poertner. 

Fonte: The Guardian

 

 

AESBE - Associação Brasileira das Empresas Estaduais de Saneamento

SCS - Quadra 01 - Bloco H - Edifício Morro Vermelho - 16º andar - CEP: 70399-900 - Brasília-DF - Tel/Fax.: 55 61 3022-9600

Fazer login com suas credenciais

Esqueceu sua senha?