O Ministério do Desenvolvimento Regional (MDR) e a Secretaria Nacional de Saneamento divulgaram, em dezembro, o Sistema Nacional de Informações sobre Saneamento 2020 (SNIS), maior e mais importante ambiente de informações do setor de saneamento básico brasileiro, que reúne informações de caráter operacional, gerencial, financeiro e de qualidade dos serviços de Água e Esgotos desde 1995. Os dados do ano passado, coletados em 2019 por mais de 2800 prestadores de serviço, são referência para o acompanhamento da evolução do setor no Brasil e revelam o aumento de 1,9 milhão de novas ligações na rede de água (3,3%) e 2,1 milhões na rede de esgotos (6,5%).

De acordo com o SNIS 2020, em 2019 foram atendidos 162,2 milhões de brasileiros com redes de água (1,5 milhão a mais que em 2018), totalizando um crescimento de 0,9%. Destacam-se as regiões Sul, Centro-Oeste e Sudeste, em que os índices médios são de 98,7%, 97,6% e 95,9% da população atendida, respectivamente.

Já o atendimento por redes de esgotos alcançou 108,1 milhões de brasileiros, um incremento de 2,6 milhões de novos habitantes (crescimento de 2,5% em comparação com 2018). Destacando-se a região Sudeste, com média de 83,7% da população atendida. Cabe ressaltar que o volume de esgotos tratados foi de 4,30 bilhões de m³ em 2018 para 4,52 bilhões de m³ em 2019, correspondendo a um incremento de 5,1%.

O Sistema revelou ainda que de 982,6 mil empregos gerados no País em 2019, quase 230 mil estão diretamente relacionados às atividades de prestação de serviços e mais de 750 mil são decorrentes dos investimentos feitos no setor, ou seja, empregos indiretos.

“Os resultados obtidos demonstram, acima de tudo, o compromisso desses municípios com a garantia do acesso ao saneamento básico e o pleno exercício desse direito pelos seus munícipes”, afirma o Ministério do Desenvolvimento Regional.

Para 2021, a proposta de orçamento do Governo Federal, enviada ao Congresso Nacional, estabelece pouco mais de R$ 694 milhões para as obras e serviços de saneamento básico por todo o Brasil, o menor investimento no setor nos últimos cinco anos.

 

Compartilhe

Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on telegram

Confira também nossas publicações

Veja todas nossas
edições anteriores