A economia deu uma fraquejada

Folha de São Paulo
10/02/2020

Estagnação de 40 anos está baseada em instrução de menos e privilégios de mais

Real desvalorizado, juro perto de zero e reservas cambiais sobrantes. Está implantada a fórmula mágica que, segundo uma escola de economistas, faria a produção nacional deslanchar.

Só que não. A indústria recuou em 2019. As exportações, que deveriam reagir ao estímulo cambial, levaram um tombo de 20% em janeiro, e a trombada foi maior na manufatura.

A turma do outro lado, a do ajuste fiscal, também não está com essa bola toda. Após o teto da despesa pública e a poda na Previdência, o espetáculo do crescimento segue adiado.

Mal começou o veranico do otimismo, terceira temporada da série “Agora Vai!”, e ele já abana a mãozinha para nós. Os palpites dos profissionais, que rumavam para uma alta de 2,5% do PIB em 2020, há alguns dias voltaram a recuar.

Isso daí, em fraseado presidencial, deu uma fraquejada.

Produção industrial recua 1,1% em 2019

 

 

O emprego avança mais devagar que o ataque da seleção de Lazaroni. Exércitos de brasileiros mal qualificados entregam coisas e transportam pessoas nas cidades e impulsionam a informalidade.

Temos sido improdutivos. Há 40 anos a massa empregada produz praticamente a mesma quantidade de bens e serviços. Uma nação de 210 milhões de habitantes pouco instruídos, isolados da dinâmica global das transações e das ideias.

Aqui se permite que os gestores do ensino público, da ciência e da inovação sejam néscios e incompetentes. Tiranossauros da destruição ambiental ainda caminham sobre a terra brasileira.

Estruturas ancestrais de privilégios e proteções estatais mantêm-se intactas. Noventa anos depois da ascensão de Vargas, ainda gastamos uma montanha de recursos para defender a indústria, enquanto o mundo revoluciona e demanda serviços.

No século 21, metade dos brasileiros não acessa rede de esgoto, tecnologia barata e velha. Milhões limpam casas, dão troco nos ônibus e enchem o tanque nos postos. A maioria dos “millenials” não desfruta das maravilhas do terceiro milênio.

Vinicius Mota – Secretário de Redação da Folha, foi editor de Opinião. É mestre em sociologia pela USP.

 

 

AESBE - Associação Brasileira das Empresas Estaduais de Saneamento

SCS - Quadra 01 - Bloco H - Edifício Morro Vermelho - 16º andar - CEP: 70399-900 - Brasília-DF - Tel/Fax.: 55 61 3022-9600

Fazer login com suas credenciais

ou    

Esqueceu sua senha?

Create Account