Secretário executivo da Aesbe reforça posicionamento da entidade e compromisso com a universalização dos serviços em evento realizado pelo Instituto Água e Saneamento

Por Michelle Dioum, com supervisão de Rhayana Araújo

Na manhã desta terça-feira (20), o secretário Executivo da Aesbe, Sergio Antonio Gonçalves, integrou a Mesa Temática “Diferentes perspectivas sobre os modelos de regionalização em curso nos estados”, no evento técnico As regionalizações do saneamento nos estados – perspectivas e desafios dois anos após a aprovação do Marco Legal”, realizado pelo Instituto Água e Saneamento (IAS), de forma virtual.

Com a abertura realizada por Marussia Whately, diretora do IAS, o evento foi composto por três mesas temáticas diversas. A primeira analisou o quadro das regionalizações no país; a segunda debateu os desafios da governança frente aos novos arranjos regionais; e a terceira reuniu relatos de casos reais de regionalização nos estados. Especialistas em saneamento, planejamento urbano e regional, direitos humanos, representantes da sociedade civil, consultores e gestores que atuaram na implementação dos processos de regionalização dissertaram nas Mesas.

O intuito do encontro é inaugurar debates e estudos do IAS, estimular a reflexão sobre os rumos do saneamento e o avanço da universalização do acesso à água e ao esgotamento sanitário. Com a mediação de Letícia Pimentel, Pesquisadora no Departamento de Ciência Política da Universidade de São Paulo (USP), a primeira Mesa Temática “Diferentes perspectivas sobre os modelos de regionalização em curso nos estados” contou com a participação do secretário Executivo da Aesbe.

 Sergio Antonio Gonçalves discorreu sobre a necessidade de ampliar as discussões no setor sobre o conjunto de serviços e infraestruturas, do planejamento à fiscalização, observando as diferenças existentes no país. “O respeito às diferentes visões é essencial. É necessário reafirmar que o direito ao saneamento é basilar e estamos aqui para atender as pessoas. Políticas públicas e de planejamento são primordiais para o avanço das metas”, pontuou.

De acordo com o secretário, é imprescindível destacar que os debates e as discussões no setor não começaram agora.  A regionalização, por exemplo, vem do Plano Nacional de Saneamento (Planasa), que criou as Empresas Estaduais e induziu a regionalização em blocos. A questão do subsídio, em bloco e cruzado, é inerente da prestação de serviço de saneamento.

Em relação às distintas formas de regionalização, a diversidade das companhias estaduais e a diferença na prestação de serviços, com destaque aos modelos gerados nessas novas legislações, Sergio reiterou a importância da autonomia e regionalização nesse processo.

“A legislação trouxe algumas obrigações e arranjos. Cada estado, como ser autônomo, optou por sua forma passando pela própria sobrevivência. Dentro do contexto da regionalidade, desde a lei de concessão de 1995, o setor privado já faz parte do setor de saneamento. O problema não é esse. Os estados se reorganizaram para prestar os serviços. O sistema de regionalização acaba viabilizando uma prestação de serviços mais eficiente, diminuindo as desigualdades”, afirmou.

O Plansab é o instrumento de objetivos, estratégias e orienta a condução das políticas públicas no setor. Segundo o secretário, é necessário que haja um processo de especificação que seja baseado no Plano nacional de Saneamento Básico. “Um bom questionamento é se nós vamos atender as pessoas do país inteiro via SNIS, que considera apenas atendimento via redes, ou vamos atender com o Plansab, que é o documento oficial para a universalização. Independente de número, quem não tem é quem precisa, onde estão essas pessoas? Estão na periferia, na Zona Rural? Precisamos realizar esse trabalho de identificação. Um país gigante como o Brasil, com todas as diferenças locais, é preciso pautar a diversidade e a importância das políticas públicas. As soluções não são apenas técnicas”, evidenciou.

Sergio citou a relevância do estudo, realizado pela Aesbe, que é o comparativo entre Plansab e SNIS, destacou a importância de reconhecer o Plano Nacional de Saneamento Básico como o principal instrumento de universalização de metas e enfatizou pontos propositivos fundamentais para a Aesbe. “A Aesbe está sempre à disposição para debates e estudos. Nosso entendimento passa pela revisão da questão de outorga, a simplificação dos processos de financiamento, por ressaltar a importância da atualização constante do Plansab e pelo apoio técnico aos planos de saneamento”, salientou.

O evento é uma importante iniciativa no avanço da regulamentação, estruturação de governanças e do planejamento no setor. “Parabenizo o IAS pela qualidade do Observatório. Entender e planejar para avançar é fundamental. Devemos ir atrás, qualificar dados e entender que atrás de cada número existe uma pessoa. Em nome da Aesbe e do Presidente Neuri Freitas, agradeço o convite e parabenizo pelo evento”, concluiu o secretário Executivo da Aesbe, Sergio Antonio Gonçalves.

Compartilhe

Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on telegram

Confira também nossas publicações

Veja todas nossas
edições anteriores