Forte atuação em infraestrutura

Valor Econômico
31/08/2021  

Por Roberto Rockmann

Além de energia elétrica e petróleo e gás, negócios chineses se concentram em engenharia, saneamento e logística

Com o ingresso na Concremat, a CCCC tem buscado também novos negócios no Brasil. Um dos principais foi a conquista da Parceria Público-Privada (PPP) para a construção da ponte entre Salvador e Ilha de Itaparica no Estado da Bahia. O consórcio formado pelos grupos chineses CCCC e CR20 (China Railway 20 Bureau Group) foi o vencedor do leilão, realizado em 2019, na sede da B3, para construção e operação do projeto, cujo valor total do contrato é de R$ 7,6 bilhões. O prazo de concessão é de 35 anos.

O empreendimento terá 12,4 quilômetros de extensão e se constituirá na maior ponte deste tipo da América Latina, superando a ponte Rio-Niterói. A estrutura ocupará a 23ª posição no ranking mundial de pontes. O contrato inclui ainda acessos viários em Salvador, com extensão de 4,6 quilômetros, nova rodovia expressa, a ser construída na Ilha de Itaparica, com 21,41 quilômetros, e recuperação e ampliação de trecho da rodovia BA-001. A Concremat será a líder do consórcio responsável pelas obras.

O projeto faz parte de um plano de desenvolvimento socioeconômico da Bahia, que estima a criação de cem mil postos de trabalho diretos e indiretos ao longo dos 35 anos de PPP. Cerca de 250 municípios serão beneficiados com a redução da distância em mais de 100 quilômetros e de 90 minutos no tempo de deslocamento até a capital baiana. Atualmente, a travessia para Itaparica é feita por ferryboat, no Terminal de São Joaquim, em Salvador, e por lanchas rápidas. Outra opção é usar a BR-324, sentido Recôncavo Baiano. Em abril, o governo da Bahia depositou R$ 250 milhões no Fundo Garantidor para a construção da ponte como parte do compromisso firmado no contrato, que prevê a implementação, nos próximos cinco anos, da PPP, que contemplará investimento de R$ 5,4 bilhões e aporte total do Estado de R$ 1,5 bilhão. “O projeto vai trazer forte impulso à economia de todo o Estado, encurtando distâncias e criando um novo eixo de desenvolvimento a partir de Salvador em direção ao oeste”, afirma o governador Rui Costa.

A CCCC também está em outro projeto de grande porte no setor de transportes: o porto São Luís, no Maranhão, projeto lançado em 2018, ainda no papel e cujo controle é da empresa chinesa. Quando totalmente implantado, o porto terá capacidade para movimentar até 20 milhões de toneladas por ano, mas a construção será em fases. Na primeira etapa, que deve estar pronta em quatro anos, haverá oferta para 15 milhões de toneladas. O terminal deverá estar ligado à ferrovia de Carajás e ao tramo superior da Ferrovia Norte-Sul.

Não é um investimento isolado chinês em terminais portuários no Brasil. Em 2018, a China Merchants Port Holding Company (CMPort), o maior e mais competitivo desenvolvedor, investidor e operador de portos públicos da China, adquiriu o controle do maior terminal de contêineres da América do Sul: o Terminal de Contêineres de Paranaguá (TCP). Nos primeiros seis meses deste ano, foram transportados 5,6 milhões de toneladas em contêineres pelo porto de Paranaguá nos dois sentidos de comércio – importação e exportação.

O volume é cerca de 12% maior que os cinco milhões de toneladas registrados no mesmo período de 2020. De exportação foram 2,97 milhões de toneladas de cargas embarcadas. De importação, 2,59 milhões de toneladas. O frango é o produto mais exportado em contêineres pelo terminal paranaense. De janeiro a junho, 875,87 mil toneladas saíram do porto de Paranaguá rumo ao mercado internacional. A China segue como o principal destino do frango exportado pelo TCP.

Em saneamento, os chineses também marcam presença. A PPP criada para construir e operar o sistema São Lourenço, para a prestação de serviços de operação e manutenção do sistema de desidratação, secagem e disposição final do lodo e de manutenção do sistema na região metropolitana de São Paulo, foi assumida em 2018 pela China Gezhouba Group Corporation (CGGC), através de sua subsidiária CGGC Construtora do Brasil, representando o primeiro investimento no Brasil. O sistema leva água da represa Cachoeira do França, em Ibiúna (SP), para a Estação de Tratamento de Água, em Vargem Grande Paulista (SP), percorrendo 83 quilômetros de tubulação até os municípios atendidos.

O grupo chinês chegou a analisar o leilão de concessão da Cedae, concessionária que atua no Rio de Janeiro, mas não participou do leilão em abril deste ano. O setor de saneamento completa em agosto um ano com a nova regulação, que busca atrair capital privado para a universalização dos serviços de água e esgoto.

Estudo da Associação Brasileira das Concessionárias Privadas de Serviços Públicos de Água e Esgoto (Abcon) aponta que o investimento total estimado para expansão da rede com o novo marco regulatório é de R$ 753 bilhões, sendo R$ 255 bilhões referentes à recuperação da depreciação das redes existentes. O trabalho da Abcon destaca que a cada 1 real investido em saneamento para extensão de redes, cerca de 76 centavos irão para a construção civil e 6 centavos para máquinas e equipamentos.

O secretário nacional de saneamento do Ministério do Desenvolvimento Regional, Pedro Maranhão, diz que o novo marco regulatório, sancionado pela Lei 14.026 de julho de 2020, já é uma realidade. “Há leis que pegam e não pegam no Brasil. Esta pegou. Desde o marco, já foram mais de R$ 69 bilhões em investimentos e outorgas”, afirma. Com o novo marco regulatório, os contratos serão obrigados a trazer metas de universalização. Cada projeto aprovado terá de levar água potável a 99% da população e garantir tratamento de esgoto para outros 90% até o fim de 2033.

Além de participar de concessão, PPPs e operação, em saneamento deverão ser criadas oportunidades em fornecimento de máquinas e equipamentos. Estudo preliminar do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), com base em cinco projetos de concessão e PPP estruturados pelo banco e realizados nos últimos meses, aponta que apenas a demanda desses empreendimentos soma R$ 38 bilhões em investimentos, representando R$ 11 bilhões em encomendas para a indústria. Os projetos que embasaram o estudo são a concessão do Amapá, concessão dos três blocos da Cedae no Rio de Janeiro, a PPP de Cariacica (ES), concessão da região metropolitana de Alagoas e concessão na cidade de Porto Alegre (RS).

 

 

AESBE - Associação Brasileira das Empresas Estaduais de Saneamento

SCS - Quadra 01 - Bloco H - Edifício Morro Vermelho - 16º andar - CEP: 70399-900 - Brasília-DF - Tel/Fax.: 55 61 3022-9600

Fazer login com suas credenciais

Esqueceu sua senha?