Emissão de debêntures incentivadas soma R$ 7,6 bilhões em outubro e bate recorde no acumulado do ano

Valor Econômico

Por Estevão Taiar, Valor — Brasília

24/11/2021 17h01

 

Nos dez primeiros meses de 2021, emissão alcançou R$ 37,9 bilhões; até então, o maior valor anual tinha sido registrado em 2019, alcançando R$ 33,8 bilhões

A emissão de debêntures incentivadas somou R$ 7,6 bilhões em outubro, conforme divulgado nesta quarta-feira pelo Ministério da Economia. Assim, já em outubro a emissão acumulada no ano bateu recorde, alcançando R$ 37,9 bilhões. Até então, o maior valor anual tinha sido registrado em 2019, alcançando R$ 33,8 bilhões.

Segundo a pasta, o resultado de outubro foi fruto “de investimentos em 15 empreendimentos nos setores de energia e transportes”.

No acumulado do ano, por sua vez, a participação dos investidores pessoa física atingiu R$ 9,4 bilhões, o equivalente a 25% do total.

Na análise da distribuição setorial em 2021, o destaque foi o setor de energia, que concentrou 60% das emissões. Na sequência vieram transportes (28%), telecomunicações (8%) e saneamento (4%).

Na mesma base de comparação, o prazo médio das debêntures emitidas foi de 12,2 anos, com remuneração média de Índice de Preços ao Consumidos Amplo (IPCA) + 5,6%. Em 2020, a remuneração foi de IPCA + 5,2%.

Por sua vez, os fundos de infraestrutura registraram em outubro 193,4 mil cotistas, contra 204,9 mil em setembro.

 

AESBE - Associação Brasileira das Empresas Estaduais de Saneamento

SCS - Quadra 01 - Bloco H - Edifício Morro Vermelho - 16º andar - CEP: 70399-900 - Brasília-DF - Tel/Fax.: 55 61 3022-9600

Fazer login com suas credenciais

Esqueceu sua senha?